Conheça a história de uma ocupação bem sucedidade – a Fábrica de Braço de Prata. Falámos com o Professor João Nabais

A entrevista audio

 

 

Hoje trago-lhe a história de um professor, Nuno Nabais que transformou uma antiga fábrica de metralhadoras no centro de Lisboa – numa autêntica fábrica de cultura com dez anos de actividade contínua e reconhecimento internacional.

A Fábrica de Braço de Prata teve em Lisboa um papel inaugural no movimento de reciclagem de edifícios esquecidos.

Foi criado um regime absolutamente novo de sustentabilidade – é património cultural de Lisboa. Conforme se pode ler no sitio da internet

“Acreditamos que tudo o que tem sido possível na Fábrica exprime alguns conceitos como “soberania”, de “desobediência civil”, de “sustentabilidade financeira”, “independência face a subsídios”. São esses conceitos que permitem que a empresa que gere os proventos não se aproprie de um único cêntimo do orçamento da Fábrica.”

(AUDIO)

Nuno Nabais é professor universitário, Filósofo, ensaísta, livreiro e programador cultural. É sobretudo um homem que não se resigna perante as muitas dificuldades. Em conversa para o Audio Press Portugal disse que não foi o sonho que o moveu mas sim, a raiva.

(AUDIO)

“Só a raiva levas as pessoas a fazer coisas extraordinárias.”

A Fábrica de Braço de Prata parece um sonho tornado realidade mas só graças a uma raiva imensa foi possível criá-la.

Tem uma história de ocupação tolerada e no tempo recorde de sete dias, uma fábrica abandonada deu lugar a uma autêntica ilha comunitária – de portas abertas – dedicada à cultura e aos artistas.

O antigo dono da fábrica autorizou o professor a criar o centro cultural mas a legalidade ficou pendurada até à compra pela Camara Municipal e por isso foram muitos os processos em tribunal que Nuno Nabais teve que passar nesta década e deixa-nos um enorme elogio à justiça portuguesa – vendo este Professor de Filosofia, os juízes portugueses como grandes exemplos atuais à escala mundial.

(AUDIO)

Tem neste espaço sui generis muitos pontos de interesse – uma “sala de jazz com o piano com a sonoridade mais pura de toda a Lisboa”. O nosso Salvador Sobral (vencedor da Eurovisão 2017) é um dos filhos desta casa.

Recebe concertos, exposições, vende bons livros a um euro, apoia os artistas com a venda de obras de arte e o valor pedido à entrada a quem visita já raramente se vê no panorama nacional, permitindo a que quem tenha dificuldades económicas consiga aceder ao melhor que se vai fazendo.

19143001_1339455229501196_2922460938256313642_o19092810_1339450406168345_6514928774556473342_oFrase placard the man and woman

 

O truque diz, é simples: vender bacalhau e cerveja (é assim que a Fábrica se sustenta).

Contou ainda numa entrevista à revista Caliban que “se uma editora não está a vender livros suficientes, abra um quiosque na editora.”

Neste espaço oferece-se cultura. Há mais de uma década. E como prenda de aniversário desejam apenas continuar a continuar a dar cultura às pessoas e que se sintam em casa.

Eu sinto-me em casa na Fabrica de Braço de Prata; há qualquer coisa de berço, de coisas sempre a nascer por lá.

Neste 10º aniversário a Fabrica de Braço de Prata vai mostrar o melhor que se fez no plano da música durante uma década; vão estar de portas abertas e com a cerveja a baixo custo.

Por fim, conheça o futuro desta fábrica de cultura que não pára de nos surpreender.

Parabéns à Fabrica de Braço de Prata por dez anos de actividade.

Estão a fazer 10 anos e os planos para o futuro são tão ambiciosos como no primeiro dia.

Nota: Depois de editada esta peça o Professor fez-me chegar este elogio, o suficiente para me dar força a continuar com este meu projeto. Mafalda Ramos

Reconhecimento Professor Nuno Nabais Maio2017

 

 

Universidade de Aveiro alarga as bolsas de mérito

[AUDIO]

 

https://soundcloud.com/audiopressportugal/universidade-de-aveiro-alarga-as-bolsas-de-merito

[TEXTO]

Universidade de Aveiro atribui bolsas de mérito.

Os melhores caloiros da Universidade de Aveiro não vão pagar propinas.

Esta semana entrevistamos o professor Gonçalo Paiva Dias vice-reitor da Universidade de Aveiro que nos conta como podem os alunos aceder a esta bolsa de mérito que vai além das bolsas de mérito atribuídas no passado.

 

“Todos os alunos que se candidatem à Universidade de Aveiro com 1ª opção com 17 valores e meio ou mais tem direito a esta bolsa que é equivalente ao valor das propinas.”

 

“Se o aluno entrar numa licenciatura de três anos e no final de licenciatura ingressar no ano imediatamente subsequente no mestrado também na universidade de Aveiro poderá manter essa bolsa desde que com a classificação sempre igual ou superior a dezassete valores e meio poderá manter a bolsa durante os cinco anos.”

 

Portanto é uma medida que vai beneficiar algumas dezenas de alunos, todos os anos e suas famílias… será concerteza uma grande ajuda na continuação dos estudos destes alunos acredito que alguns deles pudessem ter também dificuldade… e poder continuar os seus estudos e dou os parabéns à universidade de Aveiro por tomar esta iniciativa. (Mafalda Ramos)

“O nosso objectivo é também aumentar o número de alunos de mérito excepcional da universidade de Aveiro. Portanto teremos tantos custos, ou os nossos custos serão tanto quanto seja o sucesso que queremos alcançar com esta iniciativa.”

A renovação depois no ano seguinte mantendo se as mesmas condições, a media, o aluno necessita depois de fazer mais alguma coisa ou será automático? É automático? Vai ser automático”.

 

 

 

 

 

Joana Moscoso é uma investigadora e empreendedora que deve conhecer

[AUDIO]

https://soundcloud.com/audiopressportugal/joana-moscoso-e-uma-investigadora-e-empreendedora-que-deve-conhecer

[TEXTO]

Joana Moscoso recebe mais um prémio internacional.

É bióloga e investigadora e consegue ao mesmo tempo ser empreendedora.

Esta semana entrevistamos Joana Moscoso – uma portuguesa que não pára de receber prémios internacionais.

Passou os últimos nove anos a estudar e trabalhar fora: Suécia, Austrália e nos últimos anos no Reino Unido onde criou uma empresa social de nome Native Scientist.

Este tipo de empresa social ainda não existe no nosso país.

Desde há uns anos Joana Moscoso leva cientistas às salas de aula – uma experiência enriquecedora para crianças emigrantes portuguesas, que assim, conseguem manter o contacto com a língua materna; dando ao mesmo tempo uma outra imagem do típico emigrante português que, naturalmente mudou ao longo dos tempos.

Este trabalho já foi feito no Reino Unido, na França e na Alemanha.

Por este trabalho de comunicar ciência às crianças recebeu já em 2016 um galardão atribuído pela Royal Society of Biology e também um prémio de 150 mil euros.

Joana Moscoso em entrevista exclusiva ao Audio Press Portugal dá nos a sua visão de como estamos por cá em termos de comunicação da ciência.

(entrevistada)

Foi no Reino Unido que também trabalhou como investigadora:

Saiba que Joana Moscoso estudou duas bactérias que estão muito associadas a infecções hospitalares – os antibióticos passaram a ser receitados para todo o tipo de doença a nível infeccioso incluindo as gripes.

“Infelizmente os antibióticos passaram a ser receitados de forma descontrolada”

muitas vezes as gripes são causadas por vírus e não por bactérias pelo que deveriam ser feitas análises antes da prescrição – conforme as palavras da Joana Moscoso.

(entrevistada)

Por é que não se fala sobre isto?

É caro? Será que é um exame caro? Seria um exame ao sangue?

Atualmente Joana Moscoso estuda uma 3ª bactéria associada a infecções no intestino, nos embriões e no cérebro a partir do Porto.

Vai continuar a trabalhar no seu país ausentando-se no neste seu trabalho com as crianças através da Native Scientist terminando a nossa entrevista fazendo um agradecimento à Fundação que a apoia, que apoia o seu trabalho e convidando outros cientistas portugueses por todo o Mundo a juntarem-se a esta equipa.